Carta abierta

Milton Don't Go!

Brazilian artists, academics, cultural organizations, trade unionists, political parties, indigenous people and popular movements urge Milton Nascimento to cancel Tel Aviv show

Español | Português

[Update June 12th 2019: Palestinian cultural organizations have urged Milton Nascimento to cancel his Tel Aviv show]

Dear Milton Nascimento,

With admiration for your work and historic commitment with struggles for freedom, justice and equality, we ask that you cancel your concert in Israel, scheduled for June 30. We learn from your music that every artist has to go where the people are. Certainly the people are not with apartheid, colonization and occupation. The student heart, which now stands in Brazil for the right to education, doesn't beat to the sound of Israeli apartheid, which precludes this and other fundamental human rights to the Palestinians. The people of the forest do not agree with colonization. The "seed of the earth" can not germinate under the blood of the oppressed, the blood of Palestinians shed daily by the Israeli occupation.

Playing in Israel goes against it. It means endorsing racist, colonial, and apartheid policies and practices - illegal under international law. In addition, the Israeli government presents concerts in Israel as a sign of approval of its policies. Israel systematically violates international law by preventing the return of Palestinian refugees, by colonizing and occupying the West Bank and the Gaza Strip and systematically discriminating against Palestinians citizens of Israel. Israel's discriminatory policies also manifest against African refugees and migrants: recently thousands of Ethiopians were brutally repressed in protesting against racism in the country.

Our request goes to the call of artists and Palestinian civil society for artists not to perform in Israel. Among those who have responded to this call, canceling their shows in Tel Aviv are Lauryn Hill, Roger Waters (Pink Floyd), Snoop Dogg, Lenny Kravitz, Elvis Costello and Linn da Quebrada.

The South African Archbishop Desmond Tutu, Nobel Peace Prize winner, is an important supporter of this call and explains that performing in Tel Aviv is wrong, "just as we said it was inappropriate for international artists to play in South Africa during apartheid, in a society founded on discriminatory laws and racial exclusivity". Playing in Israel would be like doing a show in Sun City in apartheid South Africa.

Please do not ignore this call. Palestinians no longer want to die, they have much to live for! Those who remain silent dies with them, who screams lives with them. The voice that comes from the heart says no to apartheid!


Español

Estimado Milton Nascimento,

Es con admiración a tu trabajo y compromiso histórico con luchas por libertad, justicia e igualdad, que pedimos que cancele su show en Israel, previsto para el dia 30 de junio. Aprendemos con su música que todo artista tiene que ir donde el pueblo está. 

Ciertamente el pueblo no está con el apartheid, la colonización y la ocupación. El corazón de estudiante, que ahora se levanta en Brasil por lo derecho a la educación, no golpea por el apartheid israelí, que impide este y otros derechos humanos fundamentales a los palestinos. Los pueblos del bosque no concuerdan con la colonización. La "semilla de la tierra" no puede germinar bajo la sangre de los oprimidos, la sangre de los palestinos derramada cotidianamente por la ocupación israelí. Tocar en Israel va en contra de eso. Significa endosar políticas y prácticas racistas, coloniales y de apartheid - ilegales bajo lo derecho internacional. Además, el gobierno israelí presenta los espectáculos en Israel como una señal de aprobación a sus políticas. Israel viola sistemáticamente el derecho internacional al impedir el retorno de los refugiados palestinos, al colonizar y ocupar Cisjordania y la Franja de Gaza, y al discriminar sistemáticamente los palestinos ciudadanos de Israel. Las políticas discriminatorias de Israel también se manifiestan contra los refugiados y migrantes africanos: recientemente miles de etíopes fueron brutalmente reprimidos al protestar contra el racismo en el país.

Nuestra petición hace coro al llamado de artistas y de la sociedad civil palestina para que artistas no se presenten en Israel. entre aquellos que respondieron a ese llamado, cancelando sus shows en Tel-Aviv, están Lauryn Hill, Roger Waters (Pink Floyd), Snoop Dogg, Lenny Kravitz, Elvis Costello y Linn da Quebrada.

El arzobispo sudafricano Desmond Tutu, Nobel de la Paz, es un importante apoyo de este llamado y explica que presentarse en Tel Aviv es erróneo, "así como dijimos que era inapropiado para los artistas internacionales tocar en Sudáfrica durante el apartheid, en una sociedad fundada en leyes discriminatorias y exclusividad racial ", presentarse en Israel sería como hacer un show en Sun City en Sudáfrica del apartheid.

Por favor, no ignore este llamado. ¡Los palestinos no quieren más la muerte, tienen mucho que vivir! Quien calla muere con ellos, quien grita vive con ellos. ¡La voz que viene del corazón dice no al apartheid!


Português

Querido Milton Nascimento,

Com admiração pelo seu trabalho e compromisso histórico com lutas por liberdade, justiça e igualdade, pedimos que cancele seu show em Israel, previsto para 30 de junho. Aprendemos com sua música que todo artista tem que ir aonde o povo está. Certamente o povo não está com o apartheid, a colonização e a ocupação. O coração de estudante, que agora se levanta no Brasil pelo direito à educação, não bate pelo apartheid israelense, que impede esse e outros direitos humanos fundamentais aos palestinos. Os povos da floresta não concordam com a colonização. A “semente da terra” não pode germinar sob o sangue dos oprimidos, o sangue dos palestinos derramado cotidianamente pela ocupação israelense.

Tocar em Israel vai na contramão disso. Significa endossar políticas e práticas racistas, coloniais e de apartheid - ilegais sob o direito internacional. Ademais, o governo israelense apresenta os shows em Israel como um sinal de aprovação a suas políticas. Israel viola sistematicamente o direito internacional ao impedir o retorno dos refugiados palestinos, ao colonizar e ocupar a Cisjordânia e a Faixa de Gaza e ao discriminar sistematicamente os palestinos hoje cidadãos de Israel. As políticas discriminatórias de Israel também se manifestam contra refugiados e migrantes africanos: recentemente milhares de etíopes foram brutalmente reprimidos ao protestarem contra o racismo no país.

Nosso pedido faz coro ao chamado de artistas e da sociedade civil palestina para que artistas não se apresentem em Israel. Entre aqueles que responderam a esse chamado, cancelando seus shows em Tel-Aviv, estão Lauryn Hill, Roger Waters (Pink Floyd), Snoop Dogg, Lenny Kravitz, Elvis Costello e Linn da Quebrada.

O arcebisbo sul-africano Desmond Tutu, Nobel da Paz, é um importante apoiador desse chamado e explica que apresentar-se em Tel-Aviv é errado, “assim como dissemos que era inapropriado para artistas internacionais tocarem na África do Sul durante o apartheid, em uma sociedade fundada em leis discriminatórias e exclusividade racial”. Apresentar-se em Israel seria como fazer um show em Sun City na África do Sul do apartheid.

Por favor, não ignore esse chamado. Os palestinos não querem mais a morte, têm muito o que viver! Quem cala morre com eles, quem grita vive com eles. A voz que vem do coração diz não ao apartheid!


BDS Brasil

BDS México

Frente em Defesa do Povo Palestino

Comité Chileno de Solidaridad con Palestina

Comitê do Grande ABC/SP de Solidariedade ao Povo Palestino

Comitê de Solidariedade com a Palestina – Bahia

Frente Gaúcha de Solidariedade ao Povo Palestino

Comitê Cearense de Solidariedade ao Povo Palestino

Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino

Campanha Global pelo Retorno à Palestina – Brasil

Ibraspal - Instituto Brasil Palestina

Estudantes em Solidariedade ao Povo Palestino – USP

Sociedade Árabe Palestina Brasileira de Corumbá

Sociedade Árabe Palestina de Brasília

Espaço Cultural Al Janiah

Associação Islâmica de São Paulo

 

LIDERANÇAS INDÍGENAS E CAMPONESAS:

Sônia Guajajara, Coordenação Executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib)

Cacica Cátia Tupinambá de Belmonte, defensora de direitos humanos, acompanhada pelo PPDDH

Cacique Ramon Tupinambá- Aldeia Tukum Território Indigena Tupinambá de Olivença Ilhéus Bahia

Cacique  Kariri Xokó Jailson.  Povo Kariri-Xokó -Paulo Afonso. Bahia

Sonia Barbosa, membro da Comissão Guarani, liderança da TI Jaraguá

Marcos Karai, liderança Guarani (Conselheiro Distrital CONDSI-Litoral Sul)

Kum'tum Akroá Gamella, liderança Povo Indigena Akroá Gamella - Território Taquaritiua - Maranhão

Cacica Elizete Antunes, da Aldeia Yaka Porã-TI Morro dos Cavalos e articuladora da região sul de Santa Catarina da Comissão Nhemongueta

Cacique Sinval Tupinambá de Olivença

Osmarino Amancio Rodrigues, líder seringueiro (Acre)

Edimar Lima, seringueiro (Brasileia/Acre)

 

MOVIMENTO SOCIAL, POPULAR E SINDICAL:

Soweto Organização Negra

Quilombo Raça e Classe

Conen - Coordenação Nacional de Entidades Negras

Coletivo de Entidades Negras (CEN)

Uneafro Brasil

Unegro – União de Negros pela Igualdade

Blog NegroBelchior

Fonsanpotma- Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matriz Africana

Movimento Negro Unificado (MNU)

MARÉ 0800 - Movimento de Favelas do Rio de Janeiro

Rolé dos Favelados - Movimento de Favelas do Rio de Janeiro

Julho Negro - Movimento de Favelas do Rio de Janeiro

Coletivo autônomo de mulheres pretas – Adelinas

Coletivo Kilombagem

Marcha das Mulheres Negras de São Paulo

Movimento Mães de Maio

Movimento Mulheres em Luta

Marcha Mundial das Mulheres

MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro

Movimento Mulheres pela [email protected]!

Coletivo de Esquerda Força Ativa

Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada

Apropuc – Associação dos Professores da PUC-SP

CSP-Conlutas – Central Sindical e Popular

CUT Brasil – Central Única dos Trabalhadores

Sintuff (Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFF – Universidade Federal Fluminense)

Sintsep-PA (Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público no Estado do Pará)

Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões do Estado de São Paulo

Sintusp – Sindicato dos Trabalhadores da USP

Juventude Vamos à Luta

Rebeldia - Juventude da Revolução Socialista

Grupo Tortura Nunca Mais - São Paulo

Amparar - Associação de Amigos/as e familiares de presos/as

Cebrapaz – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz

Unisol Brasil – Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários

Abong – Associação Brasileira de ONGs

FFIPP-Brasil - Rede Educacional pelos Direitos Humanos em Palestina/Israel

 

PARTIDOS POLÍTICOS:

Corrente Socialista dos Trabalhadores – CST-PSOL

PSOL- Partido Socialismo e Liberdade

PSTU – Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado

PCB – Partido Comunista Brasileiro

PartidA FeministA

 

ORGANIZAÇÕES CULTURAIS:

Orquestra Mundana Refugi

Cooperativa Paulista de Teatro

Grupo de Teatro Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes

Slam da Guilhermina

Slam Interescolar de São Paulo

Portal Catarinas

Palabra (Palavras africanas no Brasil) - Grupo de estudos sobre Áfricas e diásporas

 

ADESÕES INDIVIDUAIS:

Rogério Ferrari, fotógrafo

Iman Adi, professora

Christina Queiroz, jornalista

Lucia Rodrigues, jornalista

Soraya Misleh, jornalista

Ashjan Sadique Adi – diretora-secretária de Mulheres da Federação Árabe-Palestina do Brasil (Fepal)

Sadique Adi – Comerciante.

Rahma Beirat – Comerciante.

Qaher Adi – Autônomo.

Iman Adi – Professora.

Haula Rabah - Advogada

Juhaina Habash assistente administrativo

Elizabeth Hazin - Professora

Reem kamel – Microempresária

Nelly Safa – Comerciante

Amena Gazapina – Autônoma

Hajer Atari – Arquiteta

Hamida Awwad- Empresária

Nijma Rahman - Administradora de Empresas

Nadia Abur – Comerciante.

Muna Muhammad Odeh-  professora

Sabah Thalji - comerciante

Keithe Hamid - professora

Cláudia Hamid - gerente administrativo

Muna Sahori-comerciante

Shedia Mustafa - advogada

Leila Hamid - professora

Ayat Yaser - estudante de Relações Internacionais

Yara Saleh - estudante

Nahida Tamimi - empresária

Sarah Sael Atari - contadora

Latifah Sael Atari - fotógrafa

Fátima Ali - vice-presidente da Federação Árabe-Palestina do Brasil (Fepal)

Regina Hamid – conselheira fiscal da Federação Árabe-Palestina do Brasil (Fepal)

Yasmin Hadi - diretora de Cultura da Federação Árabe-Palestina do Brasil (Fepal)

Yasmin Ali – psicóloga

Hanen Zatar Jaber- empresária

Nahida Khattab Hassan – professora

Satva Asfora-socióloga

Fátima khattab Hassan - professora

Aixa Khattab Hamid – comerciante

Ibrahim Muhd Abdel Latif, aposentado

Arminda Borges Latif, professora aposentada

Abdel Latif Hasan Abdel Latif, médico

Jamile Abdel Latif, advogada

Yasmin Emad Abdel Latif, médica veterinária

Lucia Helena Issa, escritora e jornalista

José Arbex Jr., professor de jornalismo da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)

João Baptista M. Vargens, Setor de Estudos Árabes da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Mona Mohamad Hawi, professora de Língua Árabe do Departamento de Letras Orientais da USP (Universidade de São Paulo)

Jamil Ibrahim Iskandar, professor de Filosofia na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo)

Jean Roberto de Oliveira, estudante de Direito da Facamp (Faculdades de Campinas)

Gabriel Sayegh, engenheiro, Civilplan Consultoria de Imóveis Ltda.sociedade árabe Palestina Brasília

Mohamed Habib, professor titular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), ex pró-reitor e ex-coordenador de Relações Internacionais da mesma universidade

Gabriel Bonduki, conselheiro permanente do Club Homs (SP)

Sérgio Silva - fotógrafo

Luiza Romão - atriz e poeta

Alfredo Feres Neto - professor associado da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília

Terezinha Vicente - jornalista e ativista feminista

Rita Freire, jornalista

Reginaldo Nasser, professor de relações internacionais da PUC-SP

Francirosy Campos Barbosa, docente associada da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP

Angela Lano, jornalista InfoPal.it

Fátima Froes – jornalista

Tatiana Scalco - jornalista

Fabio Bosco, socialista

Rafael Vilela, fotógrafo e jornalista

Sonia Jay Wright, professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Beatriz Giugliani, estudante

Beatriz Abramides, professora de Serviço Social da PUC-SP

Ana Amélia da Silva- professora de Sociologia da PUC-SP

Antonio Carlos Mazzeo- professor de Serviço Social da PUC-SP

Leonardo Massud- Professor de Direito PUC-SP

Regina Gadelha- Professora de Economia da PUC-SP

Urbano Nobre- Professor de Jornalismo-PUC-SP

Victoria Claire Weischtordt - professora de Inglês da PUC-SP

Milton Hatoum, escritor


Compartir

Mantente al día

Suscríbete para recibir, noticias, actualizaciones de campaña, alertas de acción y campañas de recolección de fondos

No compartiremos tu información con nadie más siguiendo nuestra política de privacidad. Por supuesto puedes desinscribirte cuando lo desees.